Saturday, October 07, 2006

People like me.


















Gente como a gente.
(by Paulo Brabo)

Um estudo publicado em julho do ano passado pela American Psychological Society sugere que nossos genes dão um jeito para que, sem nos darmos conta disso, acabemos gostando e nos apegando a gente semelhante a nós.

Conduzido por J. Philippe Rushton e Trudy Ann Bons, da Universidade de Ontário, o estudo parece comprovar que somos em geral surrealmente semelhantes a nossos cônjuges e melhores amigos – e ainda mais do que estamos habituados a pensar, já que a semelhança se estende muitas vezes ao nível genético.

Não é difícil concluir que preferimos em geral a companhia de gente como a gente: extrovertidos preferem extroverditos, gente tradicional prefere gente tradicional. Mais notável é descobrir que em alguns casos compartilhamos sem saber quase metade do nosso material genético com nosso cônjuge ou melhor amigo. “De um leque de alternativas possíveis, as pessoas buscam aqueles que são compatíveis com o seu genótipo”, afirmam os autores.

Nossos genes nos fazem gostar de gente como nós.

“Quando você gosta, é amigo, ajuda ou se acasala com gente que é muito semelhante geneticamente a você, nada mais está fazendo do que tentando assegurar que seu próprio segmento do acervo genético seja preservado e preferencialmente transmitido às gerações futuras”. É o gene egoísta de Richard Dawkins, fazendo-se passar por bonzinho.

Como incomodava o subversivo de Nazaré: “Se amardes os que têm o mesmo conteúdo genético de vós, que recompensa tendes? Não fazem os sanguessugas de Brasília também o mesmo?”

Se por um lado fico lisonjeado diante da mera possibilidade de ostentar qualquer semelhança essencial com meus amigos, sou por outro forçado a reconhecer que meu amor reputadamente mais apaixonado e altruísta é delineado, ele mesmo, por narcisismo e auto-obsessão.

Sou mesmo um traste.

Meu consolo é que meus amigos não ficam atrás.

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home